Os ambientalistas no Brasil criticam o governo pela violência na Amazônia

0

Planos para reduzir as proteções florestais ligadas a ataques contra inspetores e ativistas, grupos ambientalistas relatam que dois ativistas foram mortos recentemente.

Ativistas ambientais responsabilizaram o governo brasileiro e o Congresso pela intensificação da violência na Amazônia sem lei depois que dois ativistas da terra foram assassinados e um transportador que transporta veículos da agência do meio ambiente do Brasil foi incendiado na semana passada.

Ativistas disseram que os planos para reduzir a proteção da floresta dão aos agricultores, madeireiros e camponeses uma sensação de impunidade para atacar inspectores e ativistas do governo que agacharam propriedades rurais.

“Estamos vendo um aumento muito grande na violência nas áreas rurais, e a maior causa é a postura, o comportamento e as políticas adotadas na (Brasília)”, disse Marcio Astrini, coordenador de políticas para o Greenpeace Brasil .

Propostas controversas no Congresso conservador do Brasil, onde um poderoso lobby do agronegócio exerce uma influência considerável, incluem a liberalização de regulamentos rigorosos de licenciamento ambiental. Separadamente, o governo quer reduzir a proteção legal para uma reserva florestal de 1,3 milhão de hectares.

De acordo com a Comissão Pastoral da Terra, um grupo sem fins lucrativos, 45 pessoas foram assassinadas este ano em conflitos de terra, em comparação com 61 em todo o ano de 2016.

Em 6 de julho, Ademir Pereira, 44, líder local de um grupo chamado Liga dos Pobreiros camponeses, foi assassinado em um lavagem de carros em Porto Velho, capital do estado de Rondônia, enquanto sua esposa estava se encontrando com o superintendente local do Incra, uma terra do governo Agência de reforma. Ele foi morto a tiros por dois homens em um carro.

“Não é possível viver em um país onde as pessoas morrem enquanto buscam um pedaço de terra”, Cletho de Brito, o funcionário do Incra que estava com a esposa de Pereira quando descobriu sobre sua morte – afirmou em entrevista à um site do Rondônia.
Afonso Chagas, voluntário da Comissão de Terra Pastoral em Rondônia, disse que Pereira fazia parte de uma longa ocupação chamada Terra Nossa. Seis pessoas morreram durante a ocupação nos últimos dois anos, disse ele.
Em 7 de julho, Rosenilton de Almeida, de 44 anos, foi assassinado deixando uma igreja evangélica em Rio Maria, estado do Pará, por dois homens em uma moto, disse Walrimar Santos, porta-voz da polícia.

De Almeida estava em um grupo ativista que ocupava terras na área, informou a polícia. Dez pessoas do mesmo grupo foram mortas no dia 24 de maio, quando 21 policiais chegaram a terras remotas perto do Pão D’Arco, que haviam ocupado para realizar um mandado de prisão.

Testemunhas disseram que a polícia chegou a disparar e executou os 10 ocupantes. Os oficiais disseram que foram recebidos por tiros, disse Clarissa Leão, uma porta-voz da Polícia Federal – equivalente do Brasil ao Scotland Yard ou ao FBI – que estão investigando o massacre.

Nas primeiras horas do dia 7 de julho, um transportador que transportava oito veículos para a agência ambiental do governo brasileiro, Ibama, foi incendiado enquanto estava estacionado em Cachoeira da Serra, também no Pará.

“Eles incendiaram enquanto o motorista estava nele. Ele quase ficou queimado vivo, ele abriu a porta, estava queimando “, disse Luciano Evaristo, diretor de proteção ambiental do órgão. O Ibama ordenou que as serrarias locais fossem fechadas após o ataque.
“É uma guerra do Estado brasileiro contra o crime”, disse Evaristo.

A área tem sido o cenário de conflitos repetidos entre agentes do Ibama e agricultores locais, madeireiros e camponeses, que bloquearam a estrada principal na semana passada.

A mídia local informou que ficaram incandescentes com uma decisão do presidente Michel Temer de vetar duas contas que reduziriam o nível de proteção ambiental para uma grande parte da floresta de Jamanxim, de 1,3 milhão de hectares, efetivamente legalizando as muitas fazendas instaladas há muito tempo na área altamente desmatada .

Temer decidiu vetar as contas antes de uma visita oficial à Noruega. Então, o ministro do meio ambiente, José Sarney Filho, disse que o governo apresentará outro projeto de lei, efetivamente reverter o veto e reduzir o nível de proteção da floresta.

Tradução: Aurélio Fidêncio
Fonte: The Guardian
Problemas em seu bairro? Mande-nos fotos e informações, sua identidade será preservada e você estará contribuindo com a comunidade:

(15) 99732-1144

.

Campartilhe.

Deixe Um Comentário